Diabéticos faz protesto contra falta de assistência médica em Teresina

Grupo protestou pedindo mais atenção do poder público para portadores da doença em Teresina


29/08/2011 - 11:54 - Da Redação
Diabéticos faz protesto contra falta de assistência médica em Teresina
Grupo de diabéticos "comemora" dois meses de veto à Lei Enzo pelo prefeito Elmano Férrer

Com bolo dietético e nariz de palhaço, um grupo de diabéticos protestou pedindo mais atenção do poder público para os portadores da doença em Teresina. “Esse bolo é para questionarmos além do veto, as promessas feitas pelo prefeito de vestir a nossa camisa e trabalhar para incluir os medicamentos do tratamento de diabetes no rol dos fornecidos pelo Ministério da Saúde através do SUS. Em reunião no Palácio da Cidade, em 27 de junho, ficou acordado que na semana seguinte seria agendada a nossa a ida à Brasília, juntamente com o prefeito e representantes da Fundação Municipal de Saúde. Até hoje esperamos essa resposta”, afirma a publicitária Jeane Melo, coordenadora do movimento dos diabéticos em Teresia.

A publicitária acrescenta também que uma das justificativas do prefeito para vetar a lei foi que a mesma era inconstitucional pelo fato de criar despesas para o executivo, no entanto, já foram aprovadas outras leis que também geram custos. “A nossa luta é pela vida. Estamos reivindicando um tratamento mais humano para essa doença silenciosa e perigosa, que mata seis pessoas e causa duas amputações a cada minuto no mundo. Disseram que a Lei Enzo iria gerar custos para a Prefeitura, mas recentemente o prefeito aprovou uma lei que também acarreta custos que é a academia para a terceira idade, então ficamos sem entender”, destaca.

Jeane lembra também que foi prometido na reunião que seria agilizado o atendimento e o fornecimento dos medicamentos que já são oferecidos pelo SUS em Teresina, mas segundo alegam muitos diabéticos, a realidade continua a mesma, com atrasos na entrega dos medicamentos.

VETO.
No dia 27 de junho o prefeito de Teresina, Elmano Férrer, anunciou o veto à Lei Enzo, aprovada por unanimidade na Câmara e que previa o fornecimento de medicação especial aos diabéticos. Na oportunidade, o chefe do executivo municipal se comprometeu a buscar em Brasília que o pleito fosse atendido através do Sistema Único de Saúde (SUS). Passados dois meses, os representantes do movimento dos diabéticos, como forma de protesto, “comemoram” com bolo os dois meses de veto.

  • Matérias Relacionadas:

Deixe seu comentário